Foto: Jared Pike e Joseph Peoples | Purdue UniversityFoto: Jared Pike e Joseph Peoples | Purdue University

Engenheiros da Purdue University, nos Estados Unidos, criaram uma tinta branca capaz de resfriar superfícies em até 8°C, fazendo isso sem o suo de eletricidade.

De acordo com os pesquisadores, a tinta poderia substituir o uso do ar condicionado ao deixar de absorver a energia e o calor provocado pelo sol. E sem o aquecimento provocado pelo sol na superfície das construções, não seria necessário ligar o equipamento para anter o interior resfriado.

“Pode parecer muito improvável que uma superfície em contato direto com a luz do sol tenha uma temperatura mais baixa do que a mostrada nos termômetros para determinada área, mas estamos mostrando que isso é possível”, explica Xiulin Ruan, professor de Engenharia Mecânica na Purdue University.  

https://youtu.be/caFzYvYAUo4

Além de afastar o calor das superfícies, a tinta pode contribuir no combate ao aquecimento global já que ajuda a diminuir a absorção de calor na atmosfera.

“Nós não estamos apenas transferindo o calor da superfície ara a atmosfera, mas afastando este aquecimento da nossa atmosfera”, garante outro pesquisador, o pós-doutorando do Instituto Massachusetts de Tecnologia, Xiangyu Li.

A superfície da Terra pode se resfriar com o uso desta tecnologia se a tinta fosse aplicada em uma variedade de construções, incluindo coberturas de edifícios, carros, estradas e telhados em todo o planeta, defendem os cientistas.

Em um artigo publicado pelo periódico Cell Reports Physical Science, os pesquisadores mostram que em comparação com uma tinta branca tradicional, a tinta criada na Purdue University mantêm a temperatura mais baixa em uma superfície com incidência de luz solar direta graças à reflexão dos raios ultravioleta.

Algumas tintas disponíveis no mercado hoje prometem diminuir o calor nas superfícies, mas estes produtos refletem apenas de 80% a 90% da luz solar e não são capazes de fazer com que as temperaturas caiam mais do que a temperatura ambiente. Já a tinta desenvolvida pelos pesquisadores pode refletir até 95,5% da luz solar e é capaz de dispersas o calor infravermelho.

Para que esta tecnologia fosse desenvolvida foram necessários 6 anos de pesquisa e testes. Os cientistas analisaram mais de 100 combinações entre diferentes materiais, escolheram as 10 melhores alternativas e então testaram mais 50 outras variações para cada material.

A combinação final tem em sua formula carbonato de cálcio, um componente abundante na superfície Terrestre e facilmente encontrado em rochas e conchas marinhas.  

Com este componente, a tinta final tem os mesmos resultados estéticos que as tintas tradicionais, mas com a diferença de resfriar significativamente as superfícies pintadas. O carbonato de cálcio absorve quase todos os raios ultravioletas por conta de sua estrutura atômica e também tem uma variedade de partículas com diferentes tamanhos o que faz com que a tinta se espalhe bem em superfícies com diferentes texturas.

De acordo com os engenheiros, a produção da tinta é mais barata do que a fabricação das tintas comerciais e seu uso se torna ainda mais econômico ao poupar o uso do ar condicionado – e da energia elétrica necessária para o equipamento.

“Esta tinta praticamente substitui o ar condicionado ao refletir os raios solares e diminuir o calor absorvido pelo interior das construções”, afirma Joseph Peoples, doutorando em Engenharia Mecânica na Purdue University e um dos autores do estudo.  

Ao diminuir o uso do ar condicionado, a tinta também ajuda a evitar o consume de energia elétrica e consequentemente de recursos naturais. De acordo com Joseph Peoples, ainda estão sendo realizados estudos para mensurar todos os benefícios da tecnologia.

A fórmula original foi patenteada e agora os pesquisadores estão trabalhando em desenvolver outras cores para a tinta, com os mesmo benefícios da tinta branca que eles criaram.

Com informações da Purdue University.