Foto: Senar MTFoto: Senar MT

Desde o dia 17, está sendo realizada – em Querência – a primeira turma de 2020 do Curso de Aprendizagem em Mecanização Agrícola, que faz parte do Programa Campo Aprendiz. O treinamento desenvolvido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-MT), em parceria com o Sindicato Rural, passou por uma reformulação no início do ano e traz novidades na parte técnica, mas a maior surpresa foi a composição da turma com 80% de mulheres.

Dos 11 inscritos, nove são do sexo feminino, como Cristiana Araújo Silva, 18. A jovem é técnica em agropecuária e vai dar o seu melhor para aproveitar os ensinamentos. “Essa é uma oportunidade única para termos contato direto com o campo. Nunca trabalhei em uma grande propriedade e a minha expectativa é que eu tenha um bom desempenho.”

Melissa Wendy Mendes, 21, deixou a família em Rondônia para atuar como técnica em agropecuária autônoma em Querência. A jovem acredita que a oportunidade lhe proporcione ainda mais conhecimento. “Estou tratando como uma especialização que vai me trazer experiência e abrir as portas para conseguir um emprego com carteira assinada”.

O curso é o meio para atendimento à Lei da Aprendizagem (nº 10.097/2000) no âmbito rural e o Senar é a instituição responsável para possibilitar a formação teórica/prática dos estudantes. Devem participar do treinamento pessoas de 18 a 24 anos que tenham concluído o ensino médio e sejam contratadas na modalidade de jovens aprendizes pelas propriedades rurais. A carga horária compreende cerca de 960 horas e a previsão para conclusão é março de 2021.

De acordo com o supervisor do Senar-MT na Regional de Querência, Kleber Muller, serão abordados diversos módulos desde conteúdos básicos até operacionalização de máquinas. “Eles aprenderão sobre Normas Regulamentadoras do setor, introdução ao cultivo, manutenção de maquinário intercalando a teoria e a prática, ao longo dos nove meses de contrato.”

Mudanças no Programa – A partir da reformulação do Programa em 2020, há a possibilidade de funcionários de várias empresas participarem da mesma turma. Anteriormente, os grupos eram compostos apenas por trabalhadores da mesma propriedade.

Segundo a analista da Equipe Técnica do Senar-MT, Daniela Niccioli, houve mudanças apenas em definições internas, não para os estudantes. “A metodologia é a mesma, apenas alinhamos demandas que já haviam sido solicitadas e alteramos alguns procedimentos para as empresas.”

O curso atende os requisitos da legislação e a formação das turmas cumpre o mesmo processo dos demais treinamentos do Senar-MT. “Tem uma cota de aprendizagem que a empresa precisa cumprir e o número de aprendizes é proporcional ao total de funcionários naquela função. Cabe à propriedade contatar o sindicato rural local que vai verificar os requisitos para formação de turma”.